Ouve a Cidade, faz o download da App.
Associação lança petição para tornar obrigatório uso de capacetes em trotinetes
EPA

Associação lança petição para tornar obrigatório uso de capacetes em trotinetes

De acordo com dados do Instituto Nacional de Emergência Médica, registaram-se 1.691 acidentes de trotinete, em 2022.

A associação Novamente, de apoio às vítimas de traumatismos crânio encefálicos (TCE) e às suas famílias, lançou uma petição pública para tornar obrigatório o uso de capacetes em trotinetes, indicou hoje a organização num comunicado.

Assinalando que os acidentes com trotinetes elétricas são "um sério problema de saúde pública" e que uma queda a 20 km/h sem capacete pode provocar lesões cerebrais graves e a morte", a Novamente quer apresentar o requerimento à Assembleia da República para que esta regulamente aquela obrigatoriedade.

"Onde andas com a cabeça? Num acidente, só o capacete pode evitar o traumatismo" é a mensagem inscrita num cartaz de divulgação da petição, sob uma imagem de uma queda.

Segundo dados do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), em 2022 registaram-se 1.691 acidentes de trotinete, o que representa um aumento de 78% em relação ao ano anterior e uma média de 141 acidentes mensais.

"O número de vítimas graves destes acidentes também aumentou, nomeadamente (...) vítimas que apresentam lesões crânio encefálicas e as que necessitam de cuidados intensivos", refere o comunicado.

A associação sem fins lucrativos criada por pais, médicos e amigos de traumatizados crânio-encefálicos considera que as trotinetes têm "inquestionáveis vantagens para o meio ambiente" e são "muito práticas" para quem vive nas cidades, mas nota que "na sua utilização muitas vezes são negligenciadas as normas de segurança" e chama a atenção para "as consequências económico-sociais", quer para as famílias, quer para a sociedade daquelas lesões.

Segundo a associação, a petição já foi assinada por quase 550 pessoas, entre as quais Óscar Gaspar, ex-secretário de Estado da Saúde e presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP)), Rui Pego (radialista), Carlos Barbosa, presidente do Automóvel Clube de Portugal (ACP), as jornalistas Margarida Pinto Correia, Sónia Morais Santos e Mafalda Anjos, a apresentadora de televisão Júlia Pinheiro, bem como os apresentadores e atores Diana Chaves, João Paulo Sousa e Miguel Costa.

"O que se pede com esta petição é muito simples: a proteção do que mais precioso e mais sensível temos no nosso organismo: o cérebro", indica a Novamente, que espera que mais signatários "se venham a juntar à causa".

Agência Lusa