Ouve a Cidade, faz o download da App.
Porto: obras do "metrobus" obrigam a novas alterações de trânsito na Av.Marechal Gomes da Costa
DR

Porto: obras do "metrobus" obrigam a novas alterações de trânsito na Av.Marechal Gomes da Costa

Por razões de segurança, o estacionamento vai ser proibido ao longo da extensão da obra.

A Avenida Marechal Gomes da Costa, no Porto, tem novas alterações ao trânsito devido às obras do "metrobus", tendo sido alterada a secção em que a via da esquerda está cortada.

Segundo informação da Metro do Porto, "já foram desobstruídas as vias da esquerda da Avenida Marechal Gomes da Costa, entre a Rua João de Barros e a Praça do Império, nos dois sentidos".

A circulação no espaço encontrava-se interdita devido às obras, explica a transportadora responsável pela obra, que na secção atualmente em construção compreende o troço Casa da Música-Império (haverá também uma extensão à Anémona).

Por outro lado, foi necessário ocupar, desde quinta-feira, "a via esquerda da mesma avenida, agora entre João de Barros e a Rua de Serralves e entre João de Barros e a Rua de Tânger". Esta intervenção tinha sido anunciada pela Metro do Porto no dia 20 de outubro, com início previsto para dia 23, e tem a duração prevista de dois meses.

De acordo com um anúncio publicado à data pela transportadora, entre Serralves (junto ao cruzamento com as Ruas Jorge Reinel, Tânger e Serralves) e Cristo Rei (após as Ruas João de Barros e António Galvão), "entra em obra a via esquerda, em ambos os sentidos".

O corte de cerca de 800 metros acontece para se "proceder à materialização do canal do 'metrobus"" e tem a duração prevista de 60 dias.

Assim, os veículos passam a circular apenas pela via da direita, quer seja na direção da Praça do Império, quer para quem siga para a Avenida da Boavista.

Por razões de segurança, o estacionamento vai ser proibido ao longo da extensão do constrangimento, refere ainda o anúncio da transportadora.

Já a inversão de sentidos na avenida poderá ser feita junto ao cruzamento com a Rua Prof. Augusto Nobre e em João de Barros/António Galvão.

 

Redação / Agência Lusa