Ouve a Cidade, faz o download da App.
Israel: Hamas começou a libertar mais 12 reféns
EPA

Israel: Hamas começou a libertar mais 12 reféns

Em troca, Israel deverá libertar 30 prisioneiros palestinianos, 15 mulheres e 15 crianças.

O Exército israelita informou hoje ao início da noite que o Hamas começou a libertar mais 12 reféns na Faixa de Gaza, no âmbito do acordo entre as duas partes que hoje entrou no sexto dia e expira na quinta-feira.

O Exército indicou, segundo a agência Associated Press, que os dois primeiros reféns foram transferidos para o Egito na noite de hoje e que os outros dez seriam libertados em breve.

Em troca, Israel deverá libertar 30 prisioneiros palestinianos, 15 mulheres e 15 crianças.

O Hamas anunciou hoje à tarde a libertação de duas mulheres reféns russas, mas fora do quadro do acordo de trégua negociado com mediação do Qatar, dos Estados Unidos e do Egito.

Com o objetivo de prolongar a trégua, os países mediadores estão a redobrar os seus esforços e o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, terá conversações na quinta-feira em Israel e na Cisjordânia.

“Gostaríamos que esta pausa fosse prolongada”, disse Blinken antes da sua partida, em Bruxelas. Esta extensão “significa mais reféns a voltar para casa e mais ajuda” para a Faixa de Gaza.

Após uma extensão inicial da trégua até quinta-feira às 07h00 locais (05h00 em Lisboa), uma fonte próxima do Hamas adiantou à agência France-Presse que o grupo concordou em estendê-la por mais quatro dias e libertar novos reféns israelitas, “sob o atual acordo e nas mesmas condições”, mas nenhum entendimento foi ainda confirmado.

Até agora, no âmbito do acordo, o Hamas libertou 81 reféns – 61 israelitas e 20 estrangeiros – enquanto Israel entregou 180 palestinianos, todos mulheres e crianças.

A guerra começou em 07 de outubro, quando o grupo islamita Hamas, considerado terrorista por União Europeia e Estados Unidos, atacou de surpresa Israel, matando mais de 1.200 pessoas, segundo as autoridades israelitas, fazendo também mais de 200 reféns.

Em retaliação, Israel declarou guerra ao Hamas e passou a bombardear diariamente a Faixa de Gaza, onde desencadeou entretanto uma invasão terrestre, além de bloquear a entrada de bens essenciais como água, combustível e medicamentos.

Até ao início da trégua, os ataques do exército israelita na Faixa de Gaza tinham matado mais de 14 mil pessoas, segundo o Hamas.

Agência Lusa

Mais Notícias