Ouve a Cidade, faz o download da App.
Marchas Populares de Lisboa candidatas à lista nacional de património cultural imaterial
LUSA

Marchas Populares de Lisboa candidatas à lista nacional de património cultural imaterial

O presidente da autarquia destaca que as marchas representam muito da "alma e da história da cidade de Lisboa".
As Marchas Populares de Lisboa são candidatas a integrar a lista nacional de património cultural imaterial, com o objetivo de reconhecimento histórico e também de preservação desta tradição popular, anunciou hoje a Câmara Municipal.

Numa nota, a autarquia anunciou que a candidatura das Marchas a integrar a Lista do Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial é promovida pela Associação das Coletividades do Concelho de Lisboa (ACCL), com o apoio das 28 coletividades da cidade que anualmente preparam e apresentam as marchas em junho e do município.

"A inclusão das Marchas Populares de Lisboa na Lista do Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial não só reconhecerá a sua importância histórica e cultural, mas também contribuirá para a preservação e promoção desta tradição única que enriquece o património cultural português", realçou a Câmara Municipal.

Segundo a autarquia, a candidatura implicou uma pesquisa científica de dois anos, liderada pela antropóloga Marina Pignatelli, da Universidade de Lisboa, que incluiu dezenas de entrevistas, observações nas coletividades e recolha de centenas de documentos escritos, fotográficos e audiovisuais.

O presidente da autarquia, Carlos Moedas (PSD), citado na nota, destacou que as marchas representam muito da "alma e da história da cidade de Lisboa".

"São milhares de pessoas, muitos deles turistas, que nos visitam e assistem todos os anos a este desfile único de orgulho e identidades dos nossos bairros e freguesias e que representam um momento único das nossas Festas de Lisboa. São nove décadas de uma tradição que tudo devemos fazer para defender, manter e dar o merecido e justo reconhecimento", acrescentou.

As Marchas Populares de Lisboa são "uma celebração festiva e bairrista com uma importância extraordinária", caracterizadas pela dança em desfile, acompanhada de música, poesia e canto.

Os representantes dos bairros participantes, num total de 68 pessoas por bairro, incluem 50 marchantes, porta-estandarte, oito músicos (conhecidos como "Cavalinho"), o par de padrinhos e mascotes, cinco aguadeiros, um ensaiador e um organizador da marcha de cada coletividade.

"Esta tradição remonta à alta Idade Média, tendo evoluído a partir dos arraiais juninos tradicionais, até se estruturar como é conhecida hoje. A criatividade inovadora, a exuberância e a alegria presentes nas Marchas Populares de Lisboa representam um traço profundamente marcante da cultura popular da cidade", destacou a autarquia.
Agência Lusa

Mais Notícias