Ouve a Cidade, faz o download da App.
Presidente suíça convida Putin para o diálogo
EPA

Presidente suíça convida Putin para o diálogo

Apelo feito num momento em que está em preparação uma grande conferência de paz na Ucrânia.

A Presidente suíça, Viola Amherd, escreveu uma carta ao homólogo russo, Vladimir Putin, convidando-o "a dialogar em tempos difíceis", num momento em que está em preparação uma grande conferência de paz na Ucrânia, organizada pelas autoridades de Berna.

Um porta-voz do Ministério da Defesa suíço confirmou o envio da carta, na qual Amherd explica a Putin a posição da Suíça sobre o respeito do direito internacional, dos direitos humanos e dos princípios universais estabelecidos na carta fundadora das Nações Unidas, que propõe usar como uma base na busca da paz.

A Suíça convocou uma conferência internacional de paz para meados de junho, na qual estará presente o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, e que também poderá contar com a presença do chefe de Estado norte-americano, Joe Biden, entre outros líderes mundiais.

No entanto, a Rússia não foi convidada para esta reunião de alto nível, que o próprio Putin criticou depois de observar que nada pode ser decidido em relação à guerra na Ucrânia sem a participação de Moscovo.

O desconforto da Rússia com a reunião foi ainda mais evidente numa declaração do ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, que descreveu a Suíça como um “país hostil”, considerando que abandonou o princípio da neutralidade que tradicionalmente norteou a sua política externa e que por esta razão não é adequada para promover um processo de paz.

Confrontada com a guerra na Ucrânia, a Suíça seguiu as políticas de sanções económicas da União Europeia contra a Rússia, que o Kremlin interpretou como uma perda de neutralidade.

A carta da Presidente suíça é conhecida um dia depois de a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos ter aprovado um pacote de ajuda militar e financeira à Ucrânia no valor de 61 mil milhões de dólares (57 mil milhões de euros), que poderá dar um novo impulso às forças de Kiev para enfrentar a invasão russa.

Agência Lusa